Ryan Murphy sempre mostrou em seus trabalho grande simpatia pelo o publico LGBTI+, sendo com adolescentes se descobrindo em GLEE, um pouco sádico e polemico como em American Horror History e até mesmo em forma de drama-documentario em American Crime History. Todos sempre muito bem desenvolvidos, com um trama que vai da critica até comum… esse estilo de Murphy agrada muitas pessoas, seu publico ama todos os personagens criados por ele.
Não ficamos surpreso em saber que a primeira grande obra LGBTI+ com foco em pessoas transexuais , tem ele como roterista e criador, sendo os três primeiros episódios da temporada dirigidos por ele mesmo. Pose não é apenas uma serie de nicho ( chamaremos assim por que ele foca exatamente na minoria da minoria dentro da comunidade LGBTI+ ), é algo que veio para inovar, incomodar e surpreender…. sim muitas pessoas vão se incomodar com essa produção, outros vão amar e aplaudir de pé ( esse foi o nosso caso).
baile_pose_fox
Pose não é um documentário como foi Paris is Burning ( apesar de servir de expiração), tem um roteiro original e fiel aos grandes bailes da década de 80, onde as drags brilhavam em submundo criado por pessoas que naquela época eram excluídos pela a sociedade. Alvo de preconceitos e muitas vezes sem lugar para ir, eram acolhidos pelas as Mamas, e podiam brilhar e se soltar em todo seu “EU” verdadeiro, estamos falando do começo de um cultura com luzes, musica e fantasia a mesma que inspirou o reality show RuPaul’s Drag Race… estamos falando da cultura de bailes LGBTI+.
Esse bailes aconteciam semanalmente e eram um evento incrível, os grupos que desfilavam e dançavam eram chamados de Casas, toda a casa tinha sua Mama, que era responsável por seus filhos ( pessoas que faziam parte do grupo). Elas preparavam roupas, passos de dança, em alguns momentos chegando muito perto de um musical com um pouco de improviso. Esse era o lugar que todos se soltavam e brilhavam.
baile_pose
Temas como “sair do armario”, alto se encontrar e HIV são abordado nessa serie, mas não se preocupe, Murphy sabe o que faz, ele entende que esses temas estão bem “sucateados” na televisão, por isso ele trata de forma normal, o seu foco está nas pessoas. Para isso ele escolheu o melhor elenco que podia representar o publico LGBTI+, os próprios atores… ao invés de seguir a formula de hollywood onde se contratam atores heteros para fazerem o papel de personagens transexuais, ele escolheu somente contratar atores trans, o resultado é um elenco onde 80% são realmente LGBTI+, com poucos atores “heteros”.
A dinâmica do roteiro de Pose segue o que estamos acostumados a ver de Murphy, bem intenso, com cenas fortes e diálogos profundos. A historia mostra a jornada de três pessoas, Stan Bowes ( Evan Peters, muito conhecido pelos os fãs), um jovem está vivendo o “sonho americano”, tem um casa, uma linda esposa magra e trabalha para o pupilo de Donald Trump ( notem que não é a primeira vez que Ryan Murphy, menciona Trump em uma de suas obras ). Stan vive a vida considerada perfeita por muitos, mas eu seu interior ele não feliz, ele sente desejos que sua linda esposa não sabe.
Blanca (Mj Rodriguez) é um transexual que acaba de descobrir que esta com HIV, então ela quer viver seu verdadeiro sonho, montar sua própria casa e brilhar nos bailes semanais, para isso ela cria algumas inimigas e rivais. Em busca de novos amigos e “filhos” para a casa que acabou de fundar ela conhece Damon Richards (Ryan Jamaal Swain), é um adolescente gay que foi expulso de casa pelos os pais e sonha em ser dançarino.
pose_blanca_fox
Pose ai além do preconceito, apesar de se passar anos 80, ele mostra de uma fora clara e simples como certas coisas não mudaram, discriminação e homofobia ainda são assuntos atuais, muitas historias que deviam estar apenas no passado, ainda acontecem e Ryan Murphy deixa claro em seu roteiro que ainda existe muita luta por aceitação.
A serie Pose está disponível no FOX premium e no FOX APP para todos os assinantes da rede.